Cacique Raoni Metuktire
Anne Vilela

Cacique Raoni Metuktire

Eu lhes digo, se o homem continuar a destruir a terra, os ventos voltarão com mais força... não somente uma vez... mas várias vezes... cedo ou tarde. Esses ventos vão nos destruir. Respiramos todos um só ar, bebemos todos a mesma água, vivemos todos em uma só Terra. Nós devemos protegê-la.

Raoni. Com este nome só, evoca-se todo o mistério e o poder do povo Caiapó, do qual ele é um dos guias. Obstinado e insubmisso, esse chefe carismático leva há quatro décadas uma verdadeira cruzada para tentar salvar a floresta amazônica que o viu nascer. Pai fundador do movimento para preservação das últimas florestas tropicais, patrimônio inestimável da humanidade, ele arriscou muitas vezes sua vida por essa nobre causa.

Para além da Amazônia, Raoni representa o símbolo vivo da luta levada pelas últimas tribos do mundo para proteger uma cultura milenar, em conexão direta com a natureza: uma luta pela vida. Centenas de gerações separam nossa época dos usos e costumes dessas populações ameaçadas. Raoni atravessou esse abismo imenso durante uma única existência, conservando estoicismo e dignidade. Encontrou-se com os grandes deste mundo mas vive em uma cabana simples e nada possui.

Ninguém sabe com precisão qual foi o dia em que veio ao mundo. Foi provavelmente no inicio dos anos 1930, talvez em 1932. O que sabemos contudo é que ele nasceu num vilarejo chamado Krajmopyjakare, lugar que hoje se chama Kapôt, no coração do Mato Grosso.

Sendo os Caiapós nômades, sua infância foi marcada por deslocações incessantes. Com a idade de 15 anos, Raoni guiado por seu irmão Motibau, começou a instalar seu labret, adorno portado sobre o lábio inferior, marca de reconhecimento dos guerreiros prontos a morrer por sua terra. O tamanho do labret aumenta pouco a pouco atingindo o tamanho final depois de 4 meses.

Foi em 1954 que Raoni encontrou-se com os irmãos Villas Boas, famosos indigenistas brasileiros. Com eles, começou a aprender a língua portuguesa e tomar consciência do mundo afora, aquele dos homens brancos. Ficara um ano inteiro perto dos irmãos Villas Boas.

No fim dos anos 1950, encontrou-se com seu primeiro presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek. Mais tarde em 1964, cruzara o caminho do rei Leopold III da Bélgica, que estava em expedição na região. Sinal do destino já que será outro belga que ira transformar o curso da sua existência, alguns anos mais tarde.

O encontro com o belga em questão, o jovem cineasta Jean Pierre Dutilleux, ocorreu em 1973. Fascinado pela personalidade e o carisma inacreditável de Raoni, Dutilleux voltara a visitá-lo alguns anos mais tarde com a ideia de dedicá-lo seu primeiro filme documentário longa-metragem.

O filme «Raoni» é apresentado no festival de Cannes em 1977. Foi um sucesso de crítica mas Jean Pierre Dutilleux transforma o teste conseguindo implicar Marlon Brando, filmando-o para uma versão inglesa. Raoni foi então indicado aos Oscars e exibido no Mann's Chinese Theatre de Los Angeles. O Brasil aclama o filme e Raoni torna-se o índio mais famoso do pais continente. Este toma então consciência de que Kritako, o homem do nariz de faca, apelido indígena de Dutilleux, e sua câmera deram para ele o poder de divulgar as preocupações do povo Caiapó quanto ao desmatamento que ameaça seu meio ambiente.

Em 1989, com ajuda do cantor Sting (que lhe foi apresentado por Dutilleux) Raoni deixa o Brasil pela primeira vez e lança, em 17 países, um pedido de ajuda. Divulgado pela maior parte das redes de televisão, contribuirá para a tomada de consciência: o desmatamento não só destrói as últimas tribos indígenas como compromete o futuro de todos.

Doze Fundações Rainforest (Selva Virgem) são então criadas, com o primeiro objetivo de obter recursos para ajudar na criação, na Amazônia, na região do Xingu, de um parque nacional com uma superfície de mais ou menos 180 000 km2 (cerca de um terço da França).

A missão foi cumprida em 1993, depois do formidável sucesso obtido pela sua vinda. Este parque, situado nos estados do Mato Grosso e do Pará, constitui hoje uma das maiores reservas de florestas tropicais do planeta. Depois desta campanha, o G7 irá desbloquear os fundos necessários à demarcação de todas as reservas indígenas existentes hoje no Brasil.

O presidente francês Mitterrand, foi o primeiro a apoiar a iniciativa de Raoni; seu apoio trouxe um formidável impulso nesta cruzada memorável. Seguiram, dentre outros, Jacques Chirac, o rei Juan Carlos da Espanha, o Príncipe Charles e o Papa João Paulo II.

Em 2000, enquanto o mundo se questiona sobre os grandes desafios que a humanidade irá enfrentar no novo milenário, Raoni volta à França, depois de 11 anos de ausência, no mesmo momento em que o Brasil celebrava o 500° aniversário de sua «descoberta» e anunciava oficialmente a continuidade do desmatamento como resposta às encomendas exteriores de madeira preciosa. Ele obteve novamente o apoio do presidente Jacques Chirac para seu projeto do Instituto Raoni, um conceito de liderança para preservar uma imensa área de floresta tropical no coração da Amazônia brasileira. Apesar de um estudo de viabilidade financiado pela França e de grandes esperanças, o projeto ficou congelado depois dos eventos do 11 de setembro 2001.


artistas e grupos similares
Kiriri

Kiriri

Os Kiriri (que em português significa "povo calado") falam o português, mas utilizam alguns fragmentos do seu dialeto original, o [»]

Conhecer »
Ashaninka

Ashaninka

Os Ashaninka, também chamados de Kampa, ou Campa, estão localizados no Peru e no Brasil, mais precisamente no Estado do Acre. A pr [»]

Conhecer »
Paresí

Paresí

Os índios Paresí, autodenominados Halíti, preservam grande parte de suas tradições, mitos e crenças, como a língua Paresí, d [»]

Conhecer »