Mateus Aleluia
Vinicius Xavier

Mateus Aleluia

Nascido em Cachoeira (BA) e único integrante d’Os Tincoãs ainda vivo, Mateus Aleluia e seu parceiro Dadinho passaram cerca de 20 anos morando em Angola e atuando em projetos culturais e educativos. Os Tincoãs são herdeiros da diversidade cultural do Recôncavo Baiano, porção de terra ao redor da Baía de Todos os Santos, que também viu nascer nomes como Dona Edith do Prato, Dona Dalva Damiana, Caetano Veloso, Maria Bethânia e Roberto Mendes. Foi no Samba de Roda do Recôncavo Baiano e nas músicas sagradas dos terreiros de Candomblé́ de uma das regiões com maior predominância de população negra do Brasil que Os Tincoãs buscaram inspiração e repertório musical, mesclando as tradições da região com boleros, arranjos vocais e sambas-canção. Hoje, o trabalho de Mateus Aleluia combina todas estas influências com a maturidade, precisão e serenidade de uma vida dedicada ao trânsito físico e estético entre Angola e Bahia.

Cantor, compositor, pesquisador, violonista e percussionista, Mateus fez de sua ancestralidade mais do que a reminiscência de uma África perdida no tempo, tornando-a uma presença contemporânea em seu trabalho ainda nos anos 1980 – quando se muda para Angola. Compositor e letrista sofisticado, canta em um timbre grave. Em sua voz de declamador, conta processos históricos, histórias do cotidiano e o vai e volta de Luanda a Cachoeira, e louva orixás e cores, especialmente a cor cinza. Suas composições já́ foram gravadas nas vozes de Margareth Menezes, Carlinhos Brown, Thalma de Freitas, João Gilberto, entre outros.

Em 2018, lançou o livro “Nós, Os Tincoãs”, que rememora a história do lendário grupo que se destacou nos anos 1970 e é referência da música popular brasileira.

Uma visão em um pôr-do-sol em Luanda inspirou Mateus Aleluia no segundo disco solo da carreira, "Fogueira Doce", lançado em 2017. “É um vermelho que não distorce, um fogo que não queima, só faz aquecer", conta o cantor e compositor, que cria com suas músicas uma cosmogonia própria, passeando entre temas da cultura afro-brasileira, do candomblé e da filosofia para, enfim, desaguar no amor.

No XVIII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, Mateus Aleluia apresenta um pocket show no primeiro dia da segunda etapa do evento, 21 de julho, marcando sua abertura, que este ano será no espaço da Aldeia Multiétnica. Ao pôr-do-sol, que tanto o inspira, entoará suas canções e rezos  na presença de representantes do Sítio Histórico Kalunga, do Terno de Moçambique do Capitão Júlio Antônio (MG) e da Sussa de Natividade (GO), que comporão a programação, voltada à força da cultura afro-brasileira. 

artistas e grupos similares
Pereira da Viola

Pereira da Viola

Violeiro, cantor e compositor, Pereira da Viola nasceu em São Julião, pequena comunidade rural do Vale do Mucuri, norte de Minas G [»]

Conhecer »
Flavia Wenceslau

Flavia Wenceslau

A carreira da cantora e compositora paraibana Flavia Wenceslau, natural de Nova Floresta, perpassa ao longo de duas décadas pelo di [»]

Conhecer »
Pacatto do Alto

Pacatto do Alto

O Cerrado, o amor e as coisas simples da vida são inspirações para os versos do compositor e instrumentista Pacatto do Alto. [»]

Conhecer »