Djalma Corrêa
Rodrigo Lima

Veja no Mapa »

Djalma Corrêa

Mineiro de Ouro Preto, Djalma Novaes Corrêa nasceu em 1942. Sua jornada musical começou em Belo Horizonte em um dos muitos grupos instrumentais de bossa nova. Ainda rapaz mudou-se para Salvador, atraído pela efervescência cultural da capital baiana onde estudou percussão e composição nos seminários da UFBa (Universidade Federal da Bahia), freqüentado por figuras que se tornariam seminais nas futuras mudanças da MPB.

Conviveu com o erudito suíço Walter Smetak, o alemão Hans Joachim Koellreuter (com quem trabalharia na Sinfônica da Bahia) e mais Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Jorge Ben e Gal Costa. Participou do início do movimento que mais tarde ficaria conhecido como Tropicalismo.

Fez trilhas sonoras para cinema, teatro e, em 1970, criou o grupo de música e dança Baiafro. Com esse grupo excursionou ao exterior e gravou o disco Salomão - The Dave Pike Set and grupo Baiafro in Bahia. Participou do espetáculo "Os Doces Bárbaros" com Caetano, Gil, Gal e Maria Bethânia com quem excursionaria à Itália. Viajou com Gil para o Festival de Artes Negras da Nigéria, gravou "Refavela" com o compositor.

Participou do Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, lançou o LP "Djalma Correa", todo de percussão, gravado pela Philips, na série Música Popular Brasileira Contemporânea. Incansável pesquisador, criador original, o bruxo Djalma Correa expandiu os limites da percussão brasileira.

No Encontro de Culturas, Djalma apresentou estudos sonoros com as mais diversas fontes, ministrou oficina de percussão na Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge e fez show no palco principal do evento.

Oficina  

Djalma iniciou a oficina no Encontro de Culturas dando oportunidade aos "alunos" de demonstrarem suas habilidades. Em seguida, começou o seu trabalho explicando o valor, o sentido da percussão e enfatizando a  diferença que existe entre tocar e bater tambor. "Se bater eu grito, se tocar eu canto".

O percussionista lembrou a sua experiência na busca de sons e sobre a expressão corporal. Segundo o músico, todo o ser humano tem uma experiência, pois passou nove meses no ventre da mãe "ouvindo vários sons, o pulsar do coração, dos líquidos. Temos a possibilidade de efeitos sonoros ouvindo o próprio corpo", explicou.

Djalma Corrêa levou a todos a pulsar com elegância e descontração como se África fosse aqui, numa qualidade sonora rica em timbres onde todos puderam tocar e dançar em meio a um grande improviso.

"O principal objetivo da oficina é fazer esta fusão entre nossas raízes e os instrumentos de percussão. É manter, divulgar e explorar esta contemporaneidade sem perder o vínculo com nossas raízes, como os índios, quilombos e a Congada ", concluiu Djalma Corrêa.

Palco

A amplitude da linguagem percussiva foi apresentada no palco do Encontro de Culturas com vários instrumentos, todos muito simples, mas com uma qualidade de som que surpreende. "Bronze, alumínio e ouro são elementos que proporcionam, cada um na sua medida, sons de escalas enormes", esclarece Djalma. No palco, ele tocava e explicava um pouco do que aprendeu pelas viagens e pesquisas pelo mundo. "Gosto de brincar com as possibilidades dos sons harmônicos", afirmou, ponderando sobre a dificuldade de controle destes sons. 

O show no palco principal do Encontro de Culturas foi marcado pelo toque de diversos instrumentos rítmicos, dos tradicionais atabaques, tambores até uma bruaca (também conhecido com buraca) da Comunidade Quilombola goiana do Sitio Histórico Kalunga. Nas mãos do percussionista, que viaja o mundo a procura de sons, todos os instrumentos do palco ganharam vida e foram explorados em sua natureza harmônica, de escalas e de altura, graves e agudos.

O público ficou impressionado com a qualidade, não só rítmica de Djalma, mas pela criatividade em encontrar sons até em chips de chaveiros. Sorrindo, o público observou atento ele dando ritmo a sons eletrônicos de miniaturas de animais, como elefante, vaca e até o som do choro de um bebê, tudo pego dentro de uma panela que também serviu de instrumento sonoro para o mestre percussionista.

De acordo com Djalma, a triangulação índio-negro-europeu produziu uma diversidade rítmica ímpar no Brasil. Essa mistura ele conhece bem, porque é a proposta de muitos músicos de câmara e jazzistas internacionais, além de diversas personalidades da música brasileira como Jorge Ben, Gilberto Gil e Caetano Veloso, com quem ele também já tocou. "Essa trilogia percussiva no Brasil é única no mundo; é uma fusão maravilhosa que varia de acordo com a cultura de cada região do país", lembra orgulhoso.

Um exemplo é o badalar dos sinos feito pelos escravos nas igrejas da cidade de São João Del Rei, em Minas Gerais. "É quando os ritmos dos terreiros sobem para a torre das igrejas". O pesquisador afirma que já foi sineiro em Minas Gerais. 

Saiba mais:

http://www.encontrodeculturas.com.br/2007/noticiasDetalhe.php?id=147

http://djalmacorrea.multiply.com/



artistas e grupos similares
Mamour Ba e Elhadji Ba

Mamour Ba e Elhadji Ba

Experiente músico, percussionista, compositor e multi-instrumentista, o senegalês Mamour Ba teve sua iniciação musical africana [»]

Conhecer »
Nêgo Fugido

Nêgo Fugido

Nego Fugido, tradição de Acupe, distrito de Santo Amaro, é uma encenação que recria as tentativas de fuga do escravo, as lutas, [»]

Conhecer »
Abu Bakr

Abu Bakr

O baiano Abu Bakr é filho de africanos de Beni. Ele já passou por vários países do continente africano, onde aprendeu a tocar e [»]

Conhecer »