Grupo de Suça Tia Benvinda
Artista popular

Grupo de Suça Tia Benvinda

O Grupo de dança Tia Benvinda foi criado em janeiro de 2017, mas é resultado extraclasse de um projeto que nasceu dentro da Escola Nossa Senhora de Fátima, quando se estudou o município e seu patrimônio cultural. Os membros participaram do grupo de suça da escola, chamado de Dona Feliz, época em que estudaram na referida unidade escolar. É denominado Tia Benvinda em homenagem a uma mulher negra da comunidade, da zona rural, que gostava e dançava muito bem a suça e que participou do início do processo de repasse dos ensinamentos às novas gerações na década de 1990. 

Como coletivo cultural, o Grupo de Suça Tia Benvinda é uma atividade que foi incentivada pelo interesse dos jovens integrantes em continuar praticando a ação, pela grande demanda turística existente e pelos apoios recebidos - da professora Verônica Tavares, que se tornou a responsável pelo grupo, da entidade cultural (ASCCUNA), COMTUR de Natividade, SEBRAE e de alguns mestres populares, que juntos têm contribuído para a continuidade e para a manutenção dinâmica das diferentes identidades culturais no interior do Brasil. 


Ampliando os objetivos e com a intenção de gerar renda para os adolescentes e familiares integrantes do Grupo de Suça Tia Benvinda, a busca pelas parcerias deu certo. Através da empresa Simone de Natividade que elaborou o projeto, o grupo foi contemplado no Prêmio de Culturas Populares Leandro Gomes de Barros - ano 2017, que estruturou o grupo e propiciou juntamente com os parceiros citados acima a possibilidade de capacitar os membros na oficina de artesanato em casca de cajá e cerâmica referente a cultura nativitana. Hoje os instrumentos musicais utilizados pelo grupo são confeccionados por eles. Além disso, os souvenires produzidos tematicamente sobre a arquitetura colonial da cidade ajudam e muito na renda desses integrantes.  

O Grupo de Suça Tia Benvinda participará do XX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, edição virtual, no dia 15 de agosto de 2020.

   

Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge. Direitos reservados.